quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

CANÇÃO DE ANO NOVO - ANGOLA - AFRICA



Bookmark and Share

TARDES POÉTICAS: RECEITA DE ANO NOVO - CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

TARDES POÉTICAS: RECEITA DE ANO NOVO - CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

Bookmark and Share

Entrevista exclusiva: Zygmunt Bauman on Vimeo

Entrevista exclusiva: Zygmunt Bauman on Vimeo

Roda Viva - Milton Santos



Bookmark and Share

As cores das flores

Os sete saberes necessários à educação do futuro

Edgar Morin

Bookmark and Share

Rubem Alves: A caixa de brinquedos - 27/07/2004

Folha Online - Sinapse - Rubem Alves: A caixa de brinquedos - 27/07/2004

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

CARTOLA - O SOL NASCERÁ

Villa-Lobos - Bachianas brasileiras #2 - O trenzinho do caipira (1956)

Villa-Lobos - Descobrimento do Brasil (9) - Primeira missa no Brasil (1956)



Bookmark and Share

Heitor Villa-Lobos. Floresta do Amazonas. Maria Luisa Tamez / OSNM / E.A...

Bidú Sayão - "Veleiro" - Heitor Villa-Lobos

É - Gonzaguinha!!! =D

conselho CNTE 16 12

Paralisação nacional vai cobrar cumprimento do piso
Segunda, 19 de Dezembro de 2011 - 10:45h

Em reunião do Conselho Nacional de Entidades da CNTE, ocorrida na última sexta (16), foi decidida a realização de uma greve nacional na primeira quinzena de março, para exigir o cumprimento da lei nacional do piso. Assista ao vídeo. http://www.cnte.org.br/

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Kandinsky. El arte abstracto

Ensinando o batuque da lata



Bookmark and Share

Fome come - Palavra Cantada



Bookmark and Share

Escravos de Jó

Fui no Tororó



Bookmark and Share

Pirulito que bate bate - Bebê Mais Cantigas

Pirulito que bate bate - Bebê Mais Cantigas

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Ney Matogrosso - Melodia sentimental



Bookmark and Share

Canção de Amor da Floresta do Amazônas (Heitor Villa-Lobos) - Antonio Ca...

villa-lobos poema singelo

Zumbi - Caetano Veloso



Bookmark and Share

Navio negreiro-Paulo Autran

O Navio Negreiro - Caetano Veloso & Mª Bethânia

Chico Buarque e João do Vale - "Carcará" (1982)



Bookmark and Share

Documentário "Sambaquis do litoral paranaense"

Candeia - Partido Alto ( ano exato : incerto )

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Maria Rita Kehl - Identidades sociais e ressentimento psicológico - Parte 4

Maria Rita Kehl - Identidades sociais e ressentimento psicológico - Parte 3

Maria Rita Kehl - Identidades sociais e ressentimento psicológico - Parte 2

Maria Rita Kehl - Identidades sociais e ressentimento psicológico - Parte 1

Plínio de Arruda Sampaio fala em ato Fora PM da USP

Zezé Motta - "Senhora Liberdade" (1979)

Elis Regina - O mestre-sala dos mares 1974

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Avaaz - 4 dias para salvar nossas crianças das bombas de fragmentação

Avaaz - 4 dias para salvar nossas crianças das bombas de fragmentação

Bookmark and Share

O Renascimento do Parto - Promocional

Y en esto llegó Fidel. Para nosotros siempre es 26 on Vimeo

Y en esto llegó Fidel. Para nosotros siempre es 26 on Vimeo

Programa Brasilianas.Org - Software Livre

Codigo Linux Documental [ 1 - 5 ]

Sonhos e renúncias. 7 bilhões de Outros [PT]



Bookmark and Share

Felicidade. 7 bilhões de Outros [PT]

domingo, 30 de outubro de 2011

CreativeCommons | BR - Prefeitura de São Paulo libera uso de todo o seu material didático através de licenciamento em CC

CreativeCommons | BR - Prefeitura de São Paulo libera uso de todo o seu material didático através de licenciamento em CC

Prefeitura de São Paulo libera uso de todo o seu material didático através de licenciamento em CC PDF Imprimir E-mail
04 de Outubro de 2011

Todos os recursos educacionais produzidos pela Prefeitura de São Paulo são agora livres para download gratuito. O prefeito Gilberto Kassab assinou decreto que torna disponível a qualquer pessoa todo o conteúdo e material didático produzido pela Secretaria Municipal de Educação, através do uso de licença Creative Commons.

Este é um passo importante na ampliação do acesso ao conhecimento, uma vez que a utilização dos materiais está previamente autorizada pela Prefeitura, detentora dos direitos autorais sobre as obras. Redes de ensino de outros municípios e Estados, professores, organizações não-governamentais e demais interessados podem utilizar os conteúdos, desde que para fins não-comerciais e preservados os créditos. Todo o material produzido no futuro também estará livremente disponível na internet.

Em junho, o Secretário Municipal de Educação de São Paulo, Alexandre Schneider, participou do evento “The Power of Open: O direito autoral em debate”, onde abordou a importância do licenciamento livre de obras educacionais – desde então, todo o material didático produzido pela Secretaria já estava sob licenças Creative Commons. O evento, realizado no Rio de Janeiro, foi uma iniciativa do Centro de Tecnologia e Sociedade da FGV (CTS/FGV DIREITO RIO) em parceria com o Creative Commons, e o vídeo do debate pode ser acessado neste link.

O release oficial informa que “a Secretaria Municipal de Educação entendeu que não fazia sentido manter o material produzido com recursos públicos sob direito autoral restrito, já que muitas vezes esses conteúdos são solicitados por outros municípios e Estados para fins didáticos e para a expansão de experiências educacionais bem sucedidas em uma das maiores cidades do país. 'Nosso objetivo é criar uma política pública de compartilhamento. Se a Prefeitura usa recursos públicos para produzir seu material, nada mais justo que esse material poder ser compartilhado com quem tem interesse', afirma o secretário municipal de Educação.”

O Centro de Tecnologia e Sociedade (CTS/FGV) apoia ações de ampliação do uso de recursos educacionais abertos (REA), no Brasil e no mundo, como forma de fomentar o acesso ao conhecimento.

Acesse aqui o texto integral do decreto e o release oficial da Prefeitura de São Paulo.

sábado, 15 de outubro de 2011

Mercado de Letras | República de Crianças

Mercado de Letras | República de Crianças
República de Crianças
Sobre Experiências Escolares de Resistência

• Helena Singer

De todas as inovações educacionais de que tivemos notícias durante o século 20 – método Montessori, ensino programado, construtivismo etc. – as chamadas escolas democráticas, nas quais os alunos criam as regras de convívio e escolhem o que querem estudar, foram as que mais intrigaram, encantaram ou assustaram. Entre elas, Summerhill é a mais famosa. Famosa, porém mal conhecida: muitos pensam tratar-se de uma instituição criada por um lunático, uma escola sem regras nem disciplina, onde se brinca em vez de se estudar, enfim, uma experiência fantasiosa que, naturalmente, fracassou e morreu.
Ora, o livro de Helena Singer, não somente nos relata que Summerhill ainda existe firme e forte, como também nos conta que não foi a primeira experiência deste tipo (a primeira foi criada por ninguém menos que o escritor russo Leon Tolstoi), nem a única: hoje contam-se quase quinhentas escolas democráticas espalhadas pelo mundo.
Tais escolas têm um lugar de destaque no movimento pedagógico que, desde o século passado (e, na verdade, inspiradas em idéias do século 18, as de Rousseau), tem procurado se opor à escola dita tradicional, vista como espaço da tirania adulta, como conservadora, desrespeitosa em relação às crianças e totalmente ignorante dos reais processos psicológicos de aprendizagem e desenvolvimento. O movimento da Escola Nova, como é chamado, mudou os sinais: onde havia autoritarismo, haveria democracia, onde havia valores conservadores, haveria os ideais de justiça baseados na igualdade e equidade, onde havia desrespeito, haveria carinho e amor e, naturalmente, a ignorância quanto às reais características da infância seria sanada com pesquisas psicológicas. (da apresentação de Yves de la Taille)(...) LEIA MAIS EM : http://www.mercado-de-letras.com.br/livro-mway.php?codid=103

Livro Educação para a democracia: introdução à administração educacional(2°ed.) - Relativa.com.br - ANÍSIO TEIXEIRA - ISBN 857108193X

Livro Educação para a democracia: introdução à administração educacional(2°ed.) - Relativa.com.br - ANÍSIO TEIXEIRA - ISBN 857108193X

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Geraldo Vandré - Porta Estandarte

Sonhos, Sonhos São - Chico Buarque

O Evangelho Proibido de Judas - Parte I



Bookmark and Share

FESTIVAL DE IDÉIAS INOVAÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL - Escola de Redes

FESTIVAL DE IDÉIAS INOVAÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL - Escola de Redes

Festival de Ideias

Festival de Ideias

Bookmark and Share

ENTRE RIOS (HISTÓRIA DA CIDADE DE SÃO PAULO)

ENTRE RIOS

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Jorge Drexler - Al otro lado del rio (video clip)

Cajuína - Caetano Veloso

BRASIL: Darcy Ribeiro - Roda Viva(vídeos) clique nos links para assistir

BRASIL: Darcy Ribeiro - Roda Viva(vídeos) clique nos links para assistir

Bookmark and Share

PISTAS PARA LINUX: Entrevista a Richard M. Stallman

PISTAS PARA LINUX: Entrevista a Richard M. Stallman

Bookmark and Share

PISTAS PARA LINUX: RODA VIVA - JON 'MADDOG' HALL (VÍDEOS/ENTREVISTA - 2009)

PISTAS PARA LINUX: RODA VIVA - JON 'MADDOG' HALL (VÍDEOS/ENTREVISTA - 2009)

Entrevista a Richard M. Stallman [3/3]

Entrevista a Richard M. Stallman [2/3]



Bookmark and Share

Entrevista a Richard M. Stallman [1/3]

A Catedral e o Bazar – Wikipédia, a enciclopédia livre

A Catedral e o Bazar – Wikipédia, a enciclopédia livre


A Catedral e o Bazar (em inglêsThe Cathedral and the Bazaar) é um ensaio de Eric S. Raymond sobre métodos de engenharia de software, baseado em suas observações do processo de desenvolvimento doLinux e suas experiências administrando o projeto open source fetchmail. Foi primeiramente apresentado pelo autor no Linux Kongress em 27 de Maio de 1997 e publicado como parte do livro com o mesmo nome em 1999. É normalmente considerado como o manifesto do movimento Open source.
O ensaio apresenta dois diferentes modelos de desenvolvimento de um software livre:
  • O modelo Catedral, no qual o código fonte está disponível para cada release do software, mas o código desenvolvido entre dois releases é restrito a um exclusivo grupo de desenvolvedores. Os projetosEmacs e GCC são apresentados no ensaio como exemplos.
  • O modelo Bazar, no qual o código é desenvolvido de forma totalmente aberta e pública, utilizando a Internet. Raymond credita Linus Torvalds, líder do projeto Linux, como o inventor deste modelo de desenvolvimento de software. Ele também fornece alguns relatos anedóticos da aplicação desse modelo ao projeto Fetchmail.
tese central do ensaio de Raymond é que "Dado um número de olhos suficiente, todos os erros são triviais" (que é o enunciado da Lei de Linus): se o código fonte está disponível para teste, escrutínio e experimentação pública, então os erros serão descobertos rapidamente. Em contraste, Raymond alega que uma irregular quantidade de tempo e energia devem ser gastos procurando por erros no modelo daCatedral, quando as diversas versões de código são avaliadas por um número limitado de desenvolvedores.
Este ensaio ajudou a convencer a maioria dos projetos open source e softwares livres a adotar o modelo do Bazar, completa ou parcialmente — incluindo os projetos Emacs e GCC, os exemplos originais para um modelo Catedral. Mais notavelmente, isso ainda providenciou o empurrão final para a Netscape Communications Corp abrir o código de fonte do Netscape Communicator e iniciar o projeto Mozilla.
O modelo da Catedral é também o modelo de desenvolvimento típico para software proprietário — com a restrição adicional de o código fonte não ser normalmente providenciado com as atualizações — e um uso comum da frase "a Catedral e o Bazar" é contrastar o desenvolvimento proprietário com o desenvolvimento de código aberto (mais tarde, o próprio Raymond usou a expressão dessa maneira em relação aosDocumentos de Halloween). Porém, o ensaio original preocupa-se somente com o software livre e não fazia nenhuma referência ao desenvolvimento proprietário.
A terminologia usada no ensaio tem sido estendida para descrever outros tipos de projetos e não somente software. A Wikipédia é um projeto que implementa o modelo do Bazar, enquanto a Nupedia e aEnciclopédia Britannica são projetos que usam o modelo da Catedral.
Quando O'Reilly publicou o livro em 1999, este alcançou outra distinção por ser o primeiro livro completo e comercialmente distribuído e publicado sob a licença Creative Commons.(...)

Linux Educacional | Proinfo | Webeduc | MEC - Ministério da Educação

Linux Educacional | Proinfo | Webeduc | MEC - Ministério da Educação

Linux - Educacional - MEC - BRASIL

Linux - Educacional

Garapa Paulista » O Lúdico e o Social no Masp

Garapa Paulista » O Lúdico e o Social no Masp

Bookmark and Share

Portal Geledés - A deputada Leci Brandão aborda genocídio de jovens negros com Maria do Rosário

Portal Geledés - A deputada Leci Brandão aborda genocídio de jovens negros com Maria do Rosário

Bookmark and Share

Portal Geledés - Importância da diversidade das mulheres é reforçada em debate on line

Portal Geledés - Importância da diversidade das mulheres é reforçada em debate on line

Bookmark and Share

FRANCISCO FERRER (1859-1909) - A Escola Moderna

FRANCISCO FERRER (1859-1909) - A Escola Moderna

(...)A escola moderna é mista e aberta a todos os meios (conquanto paga, o preço da pensão varia em função da renda dos pais); ela é laica e bane todo ensino religioso. Enfim, é também racional e científica.

Dotada de uma biblioteca, de uma tipografia, de um serviço de edição que publica manuais e obras pedagógicas, ela aparece como um foco intenso de cultura popular. Ferrer quer que ela seja um instrumento de emancipação e propagação das idéias libertárias diante do "adestramento" do ensino oficial de educação, "poderoso meio de subjugação nas mãos dos dirigentes", que habitua as crianças "a obedecer, a crer, a pensar segundo seus dogmas sociais que nos regem". Para ele, o ensino deve ser uma força a serviço da mudança: "queremos homens capazes de evoluir incessantemente, capazes de destruir, renovar constantemente os meios e renovar-se a si mesmos". (...)

Bookmark and Share

Pedagogia libertária – Wikipédia, a enciclopédia livre

Pedagogia libertária – Wikipédia, a enciclopédia livre: Existem três grupos de entendimento da educação na sociedade: educação como redenção, educação como reprodução e educação como transformação. A pedagogia libertária, assim como as demais pedagogias progressistas, segue a tendência filosófico-política da educação como transformação da sociedade.

A pedagogia libertária espera que a escola exerça uma transformação na personalidade dos alunos, num sentido libertário e autogestionário (a escola institui, com base na participação dos grupos, mecanismos instituicionais de mudança, através de assembléias, conselhos, eleições, reuniões e associações.

– Enviado usando a Barra de Ferramentas Google

Bookmark and Share

Sebastien Faure - An Original Libertarian

Sebastien Faure - An Original Libertarian: – Enviado usando a Barra de Ferramentas Google

Bookmark and Share

Sébastien Faure – Wikipédia, a enciclopédia livre

Sébastien Faure – Wikipédia, a enciclopédia livre: Fundação da Escola A Colmeia

Em 1904, Sébastien Faure aproxima-se da proposta de pedagogia libertária o criar nas proximidades Rambouillet (Yvelines) uma escola libertária designada "A Colmeia" (La Ruche). O objetivo da escola era desenvolver integralmente a capacidade de cada estudante. Através deste princípio Faure demonstra a influência das ideias de Mikhail Bakunin e Paul Robin,[6] mas também na permanência do mutualismo de Proudhon.

O método de ensino que Faure desenvolve em A Colmeia se contrapõe a metodologia dedutiva tradicional na qual os conceitos são explicados para os alunos cuja tarefa é apenas assimilar. Sua pedagogia chamada por ele de indutiva e estimuladora do autodidatismo abre espaço para que os estudantes possam aprender por contra própria, assumindo um papel ativo na tarefa de aprender. "Quem procura, fez o esforço." Além disso, na Colmeia não havia distinção de sexos nas salas de aula onde meninos e meninas estudavam em conjunto, algo inovador para a época.

– Enviado usando a Barra de Ferramentas Google

Bookmark and Share

Francisco Ferrer – Wikipédia, a enciclopédia livre

Francisco Ferrer – Wikipédia, a enciclopédia livre: Escola Moderna

A Escola Moderna transformou-se em um movimento de caráter internacional de apoio dos trabalhadores a educação anti-Estatal e anti-Capitalista.

Segundo a Profa. Dra. Maria Aparecida Macedo Pascal "Ferrer desenvolveu o método racional, enfatizando as ciências naturais com certa influência positivista, privilegiando a educação integral. Propõe uma metodologia baseada na cooperação e respeito mútuo. Sua escola deveria ser freqüentada por crianças de ambos os sexos para desfrutarem de uma relação de igualdade desde cedo. A concepção burguesa de castigos, repressão, submissão e obediência, deveria ser substituída pela teoria libertária, de formação do novo homem e da nova mulher. Ferrer considerava que o cientificismo não era um saber neutro. Aqueles que tem o poder se esforçam por legitimá-lo através de teses científicas".

– Enviado usando a Barra de Ferramentas Google

Bookmark and Share

Paul Robin - Protopia

Paul Robin - Protopia: Paul Robin

Paul Robin (1837-1912) foi um dos fundadores da moderna pedagogia francesa. Expulso da Primeira Internacional pelos marxistas por seu apoio a Bakunin, viveu exilado na Suíça e na Gran Bretanha. Na França fundou e dirigiu o Orfanato de Prévost, em Oise, no qual 600 meninos reciberam uma educação libertária através de métodos desenvolvidos por Robin, entre 1880 e 1894.

– Enviado usando a Barra de Ferramentas Google

Bookmark and Share

grupo de estudos: paul robin: pensamento

grupo de estudos: paul robin: pensamento: “Não temos a menor pretensão de fazer de nossos alunos doutos universais...

Por esse termo de educação integral entendemos aquela que tende ao desenvolvimento progressivo e bem equilibrado do ser por inteiro; ela contém e reúne os três fatores habituais, a saber:

a educação física, intelectual e moral.

(...) Não deve esquecer que a educação física e intelectual ou instrução deve compreender a ciência e a arte, o ‘saber’ e o ‘fazer’.

Uma verdadeira educação integral é ao mesmo tempo teórica e prática.”



Paul Robin [professor francês, bakuninista, um dos dirigentes da Aliança da Democracia Socialista, membro do conselho Geral no biênio 1870 e 1871 (1837 -- 1912)]

– Enviado usando a Barra de Ferramentas Google